Ponte do Cobre
CNS: 2358
Tipo: Ponte
Distrito/Concelho/Freguesia: Castelo Branco/Vila Velha de Rodão/Vila Velha de Rodão
Período: Romano e Idade Média
Descrição: Ponte (monumento em xisto) sobre o rio Açapal, localizada na região cimeira da revelada e junto às minas de cobre da região. O tabuleiro desenvolve-se em três diferentes planos, um horizontal e dois em plano inclinado. O primeiro corresponde à passagem sobre os três arcos maiores, centrais. Os planos inclinados correspondem aos extremos da ponte e sobrepõem, de um dos lados, um arco menor, definindo um perfil trapezoidal. Está orientada na direcção SE-NO e tem cerca de 42m de comprimento sobre a passarela. A largura do tabuleiro varia entre os 203cm e os 210cm, incluindo o parapeito. A largura do parapeito varia entre 25 e 30cm, estando muito destruído em alguns sectores e tendo desaparecido noutros, principalmente do lado montante. Conserva-se até uma altura máxima que ronda os 50cm. O piso da passarela teria uma espessura superior, observável ainda por debaixo do parapeito, onde assomam diversas lajes de xisto que integraram a superfície de revestimento do passeio e também evidenciada pelas aduelas do topo dos arcos maiores, agora à vista. O extradorso dos arcos não é regular. A ponte possui quatro arcos parabólicos. O do lado nascente é o menor, mede entre impostas cerca de 276cm e tem 180m de altura. Não está completo, porque o seu topo foi rematado com lajes de xisto, em substituição de possíveis aduelas. É possível que esta substituição tenha ocorrido quando da colocação de um cano utilizado no transporte de água para a povoação de Serrasqueira. Os arcos seguintes são semelhantes entre si. A medida entre as impostas varia entre os 531 e os 555cm. A flecha do arco ronda os 260cm. O intradorso é regular e não se observam marcas de canteiro. Os arcos assentam sobre três estruturas de planta sub-rectangular com extremidades em arco de círculo e que servem de talha-mar, a montante. O arco de círculo que constitui o talha-mar central parece ter sido apenso posteriormente. Aliás, todo o monumento apresenta cicatrizes que revelam diversas reconstituições. A partir do meio dos arcos existe um revestimento a cimento aplicado, provavelmente, quando da colocação do cano já mencionado. Na parte restante do monumento observa-se uma argamassa grosseira de cor clara. O monumento assenta sobre formações geológicas diferentes. Actualmente as margens apresentam cotas diferentes. A margem esquerda, a que corresponde a cota mais baixa, apresenta-se coberta por aluvião moderno e arcoses e está ocupada por Olival. Na margem direita, mais alta, predominam os afloramentos de xisto. A importância deste monumento advém da sua harmonia, do seu estado de conservação, da sua importância na rede viária regional e por ser dos poucos monumentos medievais que restam no concelho.
Meio: Terrestre
Acesso: Sobre a ribeira do Açafal, no início do seu troço aluvionar. Na parte Norte da planície do Açafal.
Espólio: -
Depositários: -
Classificação: -
Conservação: Regular
Processos: 86/1(084)
Trabalhos (0)
Bibliografia (2)

Fotografias (0)