Santuário Exterior do Escoural

Rock Art - Neolithic e Chalcolithic (Copper Age) (16049)
A área designada por santuário exterior do Escoural integra-se no conjunto arqueológico do Escoural, localizando-se no topo de um cerro destacado na paisagem, a cerca de 371 m de altitude, sobre a gruta do Escoural (CNS 160) e sob depósitos e estruturas de um povoado calcolítico (CNS 2128), a cerca de 2 km da povoação de Santiago do Escoural. Num espaço com uma longa diacronia de ocupação (Paleolítico Médio ao Calcolítico Final), com diferentes funcionalidades, mas com um forte pendor simbólico.Terá sido esta diversidade de ocupações e a identificação cronologicamente desfasada das várias áreas (gruta, santuário, povoado) que contribuiu para a sua inventariação separada. No topo desta elevação e a meia encosta, os trabalhos de prospeção e escavação desenvolvidos por Mário Varela Gomes e Rosa Varela Gomes nas décadas de 70 e 80 do século XX, permitiram identificar vários blocos de calcário gravados com motivos geométricos (círculos, semicírculos, linhas, retângulos, ziguezagues ou serpentiformes), zoomórficos (bucrânios),bem como a representação de um carro e um podomorfo. Sobre estas rochas decoradas registaram-se estruturas e materiais de um povoado cronologicamente enquadrado no 3º milénio a.C. As análises estilísticas e estratigráficas destas gravuras têm permitido a sua integração cronológica no Neolítico final / Calcolítico inicial, com alguns motivos, como o podomorfo, mais recentes (Idade do Bronze). A decoração de vários destes painéis é contemporânea da ocupação da gruta do Escoural como necrópole (Neolítico final), evidenciando a longa frequentação deste espaço e a sua importância simbólica para as diversas comunidades que habitaram esta área do Alentejo Central durante a Pré-história. (atualizado por C. Costeira, 06/11/2018).

Overview

O centro Interpretativo da Gruta do Escoural localiza-se em Santiago do Escoural e tem uma pequena exposição arqueológioca de introdução à visita. As visitas implicam marcação prévia no Centro Interpretativo do Escoural, preferencialmente com uma antecedência igual ou superior a 24 horas. As visitas de grupo não podem exceder o número máximo de 10 pessoas. Aquisição de bilhete no local - unitário: 3,00 ¿. Sítio integrado nos Itinerários Arqueológicos do Alentejo e Algarve.

Visit conditions

By booking

Timetables

Centro Interpretativo - Verão: 09:30 - 13:00 / 14:30 - 20:00. Inverno: 09:00 - 13:00 / 14:00 - 7:00. Visitas ao interior da gruta: de terça-feira a sábado, exceto aos feriados. Visita da manhã às 10:30. / Visita da tarde às 14:30.

Contacts

Documents

How to get there? Best practices

Best practices

Good practices when visiting archaeological sites

To visit an archaeological site is to connect with our origins, to understand our path and evolution as a species integrated in the environment, and to respect and safeguard our heritage so that future generations can also visit and enjoy it.

Walking the paths and enjoying the structures and archaeological pieces that survived over time, fosters the understanding of what is different, but also of what is common among different populations: basically, what identifies us as Homo Sapiens.

More than just vestiges and ruins of the past, archaeological sites showcase our capacity for creative thought, adaptation, interconnection, comprehension and resilience. Without these traits we would not have been successful as cultural beings participating in an ongoing evolutionary process. These sites also allow to consider choices made in the past thus contributing for decisions in the present to be made with greater awareness and knowledge.

Archaeological sites are unique and irreplaceable. These sites are fragile resources vulnerable to changes driven by human development. The information they keep, if destroyed, can never be recovered again.

As such, the Directorate-General for Cultural Heritage (DGPC) invites all visitors to enjoy the beauty and authenticity of these sites, while helping to preserve them for future generations by adopting the following set of good practices:

  • Respect all signs; 
  • Do not try to access fenced areas; 
  • Do not climb, sit or walk on archaeological structures and remains; 
  • Respect areas where archaeological excavations are being carried out, not disturbing them; 
  • Do not collect materials or sediments;
  • Do not write or make graffiti on archaeological structures; 
  • Put the garbage in appropriate containers. If none exist, take the garbage with you until you find a suitable container; 
  • Leave the archaeological site as you found it; 
  • Do not drive bicycles or motor vehicles over archaeological sites; 
  • Respect and protect the plants and animals that live in the areas surrounding archaeological sites;
  • Report signs of vandalism or destruction to DGPC or Regional Directorates of Culture (DRC);
  • Share the visiting experience and the archaeological sites, as a way of raising awareness to their preservation and making them better known;
  • Do not buy archaeological materials and report to public security authorities, DGPC or DRC, if you suspect that archaeological materials may be for sale.

Further information:

AIA / ATTA (2013) – Guide to best practices for archaeological tourism. 

Raposo, J. (2016) – Código de conduta para uma visita responsável a sítios arqueológicos. In Sítios arqueológicos portugueses revisitados: 500 arqueossítios ou conjuntos em condições de fruição pública responsável. Al-madan, 2ª série, p. 20 – 77. 

DGPC contacts

Phone: +351213614200 | Email: informacaoarqueologica@dgpc.pt

 


6 Voted for this site