"Faro" (1912) - Alvor

Sítio (31432)
  • Tipo

    Naufrágio

  • Distrito/Concelho/Freguesia

    Faro/Portimão/Alvor

  • Período

    Contemporâneo

  • Descrição

    Naufrágio da canhoneira "Faro", pertencente à Armada Portuguesa, ocorrido a 27/02/1912. A embarcação tinha 27m de comprimento, 4,7m de largura e 136 ton. de deslocamento. Tratava-se de uma embarcação construída em aço e a sua força motriz era o vapor, possuindo uma caldeira que proporcionava 200 CV de potência, com uma velocidade máxima de 10,4 nós. Foi construída em 1878 nos estaleiros de Londres e adquirida por 6000 libras, com o objetivo de integrar a esquadra fiscal da costa portuguesa. A 27 de Fevereiro de 1912, a canhoneira Faro levou uma comitiva, formada por vários altos dignatários, nomeadamente um ministro inglês e o cônsul de Inglaterra, num passeio até Sagres. Depois de ter deixado os visitantes em Lagos, a embarcação dirigia-se para Faro, quando ao largo da praia de Alvor, o rebocador "Josefine", que vinha de Portimão, embateu na amura de Bombordo, abrindo-lhe um rombo. Após o embate, a canhoneira flutuou apenas durante 10 minutos e afundou-se a cerca de nove braças de profundidade, ficando parte dos mastaréus fora de água. A tripulação, composta por duas oficiais e 28 marinheiros, conseguiu arrear dois botes e chegar a terra, mas o seu comandante, Henrique Metzner, viria a falecer já em terra, fruto de uma congestão. Além dele também um imediato, um maquinista, o primeiro contra-mestre e um grumete faleceram. Já o "Josefine", apesar de alguns estragos à proa, não se afundou, uma vez que possuía compartimentos estanques, tendo sido rebocado pelo vapor "Colombo". Da sua tripulação também faleceram dois tripulantes queimados. A embarcação foi alvo de resgate de salvados logo à época, por parte de mergulhadores da Armada. Trata-se de um sítio arqueológico que se encontra dividido e partido em dois núcleos, em que a caldeira marca essa divisão: para a popa encontramos parte do casco e o leme in situ e praticamente completo; para a proa encontram-se chapas desfeitas que compunham o casco.

  • Meio

    Meio Aquático

  • Acesso

    Por barco a partir de Lagos, Alvor ou Portimão.

  • Espólio

    -

  • Depositários

    -

  • Classificação

    -

  • Conservação

    -

  • Processos

    2009/020

Trabalhos (1)

Bibliografia (3)

Lagos D wreck.. Nautical Archaeological Society Newsletter. (2011)
Projecto de carta arqueológica subaquática do concelho de Lagos. Velhos e novos mundos: estudos de arqueologia moderna / Old and new worlds: studies on early modern archaeology (2012)
Três Séculos no Mar (1640-1910) (1972)

Fotografias (0)

Localização

Não é possível localizar o sítio selecionado no mapa.