Castro de São Lourenço

Sítio (3178)
  • Tipo

    Povoado Fortificado

  • Distrito/Concelho/Freguesia

    Braga/Esposende/Vila Chã

  • Período

    Idade do Ferro, Romano, Baixo Império e Medieval Cristão

  • Descrição

    Típico povoado da Idade do Ferro do Noroeste Peninsular, cuja defesa se apoia num conjunto de várias muralhas pétreas (três), reforçadas por fossos e torreões nas partes menos defensáveis (aquelas voltadas a Norte e Nascente). Têm aparecido habitações circulares ou a tenderem para as formas esquadriadas a denotarem uma influência dos ocupantes romanos. A romanização do povoado está bem patente não só nas características das estruturas exumadas, como também em algum do espólio recolhido:cerâmicas romanas de importacão, producões regionais, vidros, ânforas de vinho e azeite e moedas.Embora a maior parte das estruturas apontem para uma cronologia entre o sec. I a.C. e o I/II d.C., a permanência efectiva do povoado decorreu desde o Bronze Final ao sec. IV/V d.C., tendo-se mesmo prolongado ate ao periodo Medieval, altura em que o sistema defensivo foi completado com a construção de uma muralha e a acomodação no seu interior de estruturas habitacionais de apoio. A atestá-lo também, a presença de um conjunto de cerâmicas medievais (sécs. XII-XIV). Deste modo com os trabalhos arqueológicos desenvolvidos até ao momento é possivel distinguir 4 fases ocupacionais: 1 fase - periodo anterior ao séc. III/II a.C. e o IV d.C.; 2ª fase - periodo compreendido entre o sec. IIa.C. e o séc. Id.C. que correspondem a estruturas circulares; 3ª fase - séc. Id.C. e os inícios do séc. II, momento em que algumas estruturas foram alvo de uma remodelação, enquanto que outras foram construidas de raiz, estas apresentam, genericamente, uma planta de tendência circular. Ainda neste período assiste-se à construção de muros de contenção/suporte e divisão; 4ª fase - poderá ser integrada no período situado entre o séc. II e o séc. IV d.C. da qual não foram, até à presente data, detectadas estruturas associadas. Nestes sector definiram-se 4 núcleos habitacionais.

  • Meio

    Terrestre

  • Acesso

    Estrada camarária 550.

  • Espólio

    Conjunto de cerâmica castreja de roda, de época romana - comum e de importação, material de construcção (tégula e ímbrices), pequenos bronzes de imperadores do Sec. IV, fragmentos de mó, tesouro de 33 denários republicanos, uma estela epigrafada e outra com motivos serpentiformes.

  • Depositários

    Câmara Municipal de Esposende e Museu Municipal de Esposende

  • Classificação

    Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

  • Conservação

    Bom

  • Processos

    S - 03178, 2005/1(370), 82/1(122) e 98/1(701)

Bibliografia (9)

Ara votiva a Dafa (Encontrada na cividade de S. Lourenco - Vila Chã- Esposende). Lucerna (1965)
Castro de S. Lourenço de Vila Chã. Informação Arqueológica (1994)
Dispersos: colectânea de artigos publicados, desde 1876 a 1899, sobre arqueologia, etnologia, mitologia, epigrafia e arte pré-histórica: obra comemorativa do 1o centenário do nascimento do autor (1933)
Esposende: monografia do concelho (1951)
Espozende e o seu Concelho (1936)
Inscrições romanas do Museu Pio XII em Braga. Bracara Augusta (1983)
O castro de S. Lourenço, Vila Chã - Esposende. Boletim Cultural de Esposende (1982)
Portugal Antigo e Moderno (1873)
Uma ara a Hércules ( Lindoso - Ponte da Barca). Portugália (1982)

Fotografias (0)

Localização