Castelo de Castro Marim

Sítio (133)
  • Tipo

    Castelo

  • Distrito/Concelho/Freguesia

    Faro/Castro Marim/Castro Marim

  • Período

    Idade do Bronze, Idade do Ferro, Romano, Medieval Cristão e Moderno

  • Descrição

    O castelo de Castro Marim localiza-se numa colina de morfologia circular, na margem direita do rio Guadiana, a cerca de 42 m de altitude. Esta posição elevada e isolada dotava-o de um bom domínio visual sobre um amplo e diversificado território (interior serrano e o litoral), permitindo-lhe assumir um papel de destaque no controlo da circulação no rio Guadiana. As características topográficas de Castro Marim alteraram-se profundamente ao longo do tempo, com o assoreamento do rio. Assim, até ao século XVI Castro Marim seria uma península, o que intensificava a sua vertente marítima. Os trabalhos arqueológicos desenvolvidos no local, desde os anos oitenta do século XX, permitiram identificar uma longa sequência de ocupação, em que a mais antiga se integra no final da Idade do Bronze e a mais recente do século XVIII. Os vestígios associados à primeira ocupação do castelo de Castro Marim (Bronze final) são escassos, o que limita a sua caracterização arqueológica. A ocupação da Idade do Ferro que se sucede encontra-se melhor documentada, sendo mais extensa e prolongada no tempo (século VII aos finais do século III a. C.). Desta fase identificam-se vestígios de edifícios e compartimentos de planta retangular / quadrangular, estruturados em arruamentos, evidenciando um planeamento urbanístico de cariz mediterrâneo. O vasto e diversificado conjunto artefactual identificado em Castro Marim contém materiais provenientes de diferentes áreas do mediterrâneo, refletindo relações intensas com o mundo fenício ocidental. Os vestígios materiais da ocupação romana do castelo de Castro Marim são muito significativos, enquadrando-se no período Romano-Republicano e Alto Imperial, registando-se o seu abandono nos finais do século I, inícios do II d. C. O castelo de Castro Marim, edificado no reinado de D. Afonso III (1274), no âmbito da (Re) conquista cristã do Algarve, apresenta uma planta quadrangular, com quatro torrões de morfologia cilíndrica e duas portas de acesso. A torre de menagem, de morfologia quadrangular e estrutura imponente (três pisos de altura) foi construída adossada à muralha sul, com o intuito de proteger o principal acesso ao castelo. No interior do castelo identificaram-se duas cisternas, vestígios de uma capela e de compartimentos com funções diversificadas. No reinado de D. Dinis, em 1279, regista-se a construção da cerca (Castelo de Fora), que delimita toda a colina do castelo de Castro Marim, permitindo ampliar e reforçar a defesa desta cidade perante o reino de Castela. No século XVII, durante a Guerra da Restauração da Independência de Portugal (reinado de D. João IV), o castelo de Castro Marim foi reestruturado com o objetivo de reforçar as suas características defensivas, tornando mais robusta a proteção do rio Guadiana. As alterações arquitetónicas do castelo, bem como a construção do forte de São Sebastião (CNS 18107), do Revelim / Forte de Santo António e das cercas que ligavam estes vários elementos, tornaram Castro Marim a principal praça-forte do algarve, com um papel de destaque na defesa da fronteira sul de Portugal. O castelo de Castro Marim foi muito afetado pelos sismos que ocorreram no século XVIII, em particular o de 1755, o que a par das alterações geomorfológicas do estuário do Guadiana, conduziram à diminuição do seu papel mercantil e à consequente saída de população. (actualizado por C. Costeira, 22/05/2018)

  • Meio

    Terrestre

  • Acesso

    Rua do castelo no centro de Castro Marim

  • Espólio

    Idade do Ferro: cerâmica de engobe vermelho, cerâmica pintada, cerâmica cinzenta fina, ânforas, cerâmica comum manual e a torno, cossoiros, pesos de rede, contas de colar, fíbulas. Época Romana: cerâmica comum, cerâmica fina, cerâmica campinense, terra sigillata, ânforas, lucernas, cossoiros, fíbulas, vidros, numismas. Época Medieval e Moderna: artefactos cerâmicos, pregos e cavilhas.

  • Depositários

    Extensão do Algarve, Instituto Português de Arqueologia e UNIARQ - Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa

  • Classificação

    ZEP - Zona Especial de Protecção

  • Conservação

    Bom

  • Processos

    S - 00133, 7.2.2/20-16(1) e S - 02702

Bibliografia (32)

A cerâmica de paredes finas do castelo de Castro Marim (2017)
A cerâmica pintada da II Idade do Ferro do Castelo de Castro Marim. Revista Onoba (2013)
A cronologia relativa e absoluta da ocupação sidérica do Castelo de Castro Marim.. Saguntum, 45 (2013)
A ocupação romana de Castro Marim. Xelb 6 (2006)
A ocupação romana do Algarve: estudo do povoamento e economia do Algarve central e oriental no período romano. A ocupação romana do Algarve: estudo do povoamento e economia do Algarve central e oriental no período romano (2009)
Algarve - Castelos, Cercas e Fortalezas. Algarve - Castelos, Cercas e Fortalezas (2008)
Antiguidades monumentaes do Algarve: tempos préhistóricos (1891)
As cerâmicas de engobe vermelho do castelo de Castro Marim. Produção, consumo e comércio na Idade do Ferro Orientalizante Peninsular. As cerâmicas de engobe vermelho do castelo de Castro Marim. Produção, consumo e comércio na Idade do Ferro Orientalizante Peninsular (2005)
As cerâmicas de importação do Castelo de Castro Marim no âmbito do comércio ocidental dos século V a III a.C.. Actas del IV Congreso Internacional de Estúdios Fenícios e Púnicos (2000)
As cerâmicas áticas do Castelo de Castro Marim. No quadro das exportações gregas para a Península Ibérica (1997)
Carta Arqueológica de Portugal: concelhos de Faro, Olhão, Tavira, Vila Real de Santo António, Castro Marim, Alcoutim (1995)
Castelo de Castro Marim. Informação Arqueológica (1988)
Castelos em Portugal. Retrato do seu Perfil Arquitectónico. Castelos em Portugal. Retrato do seu Perfil Arquitectónico (2010)
Castelos, Fortalezas e Torres do Algarve. Castelos, Fortalezas e Torres do Algarve (1997)
Castro Marim na Idade do Ferro. Actas do 3º Congresso do Algarve, Montechoro, 1984 (1984)
Castro Marim. Castelo. Informação Arqueológica (1994)
Catálogo de Plomos Monetiformes de la Hispania Antigua (1987)
Dinâmica defensiva da Costa do Algarve: do período islâmico ao século XVIII.. Dinâmica defensiva da Costa do Algarve: do período islâmico ao século XVIII. (2001)
Escavações Arqueológicas no Castelo de Castro Marim - balanço e perspectivas. Actas do 1º Encontro de Arqueologia do Algarve (Silves - 2001) (Xelb, 4) (2003)
Escavações arqueológicas no Castelo de Castro Marim. Relatório dos trabalhos de 1984. CLIO/Arqueologia (1984)
Escavações no Castelo de Castro Marim: sua integração no contexto do turismo regional.. Actas do 3º Congresso do Algarve, Montechoro, 1984 (1984)
Fenícios e mundo indígena no Centro e Sul de Portugal (séculos VIII-VI a.C.). Em torno às histórias possíveis (2000)
Importações "púnicas" no Algarve: cronologia e significado. Os Púnicos no Extremo Ocidente. Actas do Colóquio Internacional (Universidade Aberta, Lisboa, 27-28 de Outubro de 2000) (2001)
Marim entre indígenas, fenícios e tartéssicos.. Sidereum Ana III. El río Guadiana y Tartessos (2016)
Moedas de chumbo, da época romana, cunhadas no actual território português. Numismática (1987)
O Algarve no quadro geo-cultural do Mediterrâneo antigo. O Algarve - Da Antiguidade aos nossos dias (1999)
O Algarve nos séculos V e IV a.C.. O Algarve - Da antiguidade aos nossos dias (1999)
O castelo de Castro Marim durante os séculos VI e V A.N.E. Sidereum Ana I El río Guadiana en época pos-orientalizante. Anejos de Aespa XVVI, (2008)
Os Fenícios e a urbanização no Extremo Ocidente: o caso de Castro Marim. Las ciudades fenicio-punicas en el Mediterráneo Occidental. III Colóquio del Internacional del centro de Estudios Fenicios y punicos, (2007)
Os artefactos metálicos do Castelo de Castro Marim na Idade do Ferro e Época Romana. Metalurgia de transição: a amostra numa análise de conjunto. Os artefactos metálicos do Castelo de Castro Marim na Idade do Ferro e Época Romana. Metalurgia de transição: a amostra numa análise de conjunto (2008)
Os núcleos urbanos litorais da Idade do Ferro no Algarve. Noventa séculos entre a Serra e o Mar (1997)
Os vidros romanos do castelo de Castro Marim.. Revista Onoba (2015)

Fotografias (30)

Localização