Anta 3 da Herdade do Azinhal / Anta de Vale das Covas

Anta/Dólmen - Neolítico (c. 4600 e c. 4120 a.C.) e Calcolítico (17174)
A Anta 3 da Herdade do Azinhal ou Anta de Vale das Covas localiza-se nas proximidades da Anta de Vale Cordeiro 1 (CNS 26747). Este monumento megalítico foi intervencionado por Manuel Heleno na década de 30 do século XX, com a colaboração de H. Obermaier e do casal Leisner. Este monumento, orientado a Este, apresenta uma câmara de planta sub-rectangular (com cerca de 2,40 m de comprimento), formada por sete esteios. No exterior identificavam-se vestígios da mamoa e das lajes de cobertura. Nos seus cadernos de campo, Manuel Heleno descreve a presença de uma mancha vermelha nos sedimentos do interior deste monumento, que pode estar associado à utilização de ocre o cinábrio no ritual funerário. O espólio associado a este monumento é reduzido, consistindo em artefactos líticos lascados (cinco geométricos, duas lâminas inteiras de sílex e uma fragmentada), um machado de anfibolito e fragmentos de cerâmica inclassificáveis. As características arquitectónicas e artefactuais desta anta permitem enquadrá-la numa fase antiga do megalitismo (Neolítico Médio / Final). (atualizado por C. Costeira, 24/ 05/19).

Informação

Monumento integrado no Roteiro Megalítico de Coruche, Percurso do Azinhal. Este percurso é aconselhado a grupos escolares e investigadores. Contactar previamente o Museu de Coruche para realizar o percurso. (https://issuu.com/museumunicipalcoruche/docs/roteiro_megalitico_de_coruche_6)

Condições da visita

Por marcação

Horários

Contactos

Documentos

    Como chegar lá? Boas Práticas

    Boas Práticas

    Boas práticas ao visitar sítios arqueológicos

    Visitar um sítio arqueológico é conectarmos com as nossas origens; é percebermos o nosso percurso e evolução como espécie Humana integrada no meio ambiente; é respeitar o património que é nosso e dele cuidarmos para que as gerações futuras também o possam visitar e desfrutar. 

    Percorrer os caminhos e apreciar as estruturas e peças arqueológicas que sobreviveram ao passar dos tempos, permite-nos compreender aquilo que é diferente, mas também aquilo que é comum entre as diferentes populações: no fundo, aquilo que nos identifica como Homo Sapiens. 

    Mais do que simples vestígios e ruínas do passado, os sítios arqueológicos evidenciam a nossa capacidade criativa, de adaptação, de interconexão, de compreensão e resiliência, sem as quais não teríamos tido sucesso como seres culturais em constante processo evolutivo. Estes sítios permitem-nos ainda refletir sobre as escolhas feitas no passado e contribuir assim para que as decisões no presente possam ser realizadas com maior consciência e conhecimento.

    Os sítios arqueológicos são recursos frágeis e vulneráveis às mudanças potenciadas pelo desenvolvimento humano sendo únicos e insubstituíveis. A informação que guardam, se destruída, nunca mais poderá ser recuperada. 

    Como tal, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) convida todos os visitantes de sítios arqueológicos a desfrutarem da sua beleza e autenticidade, ajudando ao mesmo tempo a preservá-los para as futuras gerações, adotando desde logo as boas práticas que aqui indicamos:   

    • Respeitar todas as sinalizações;
    • Não aceder a zonas vedadas;
    • Não subir, sentar ou permanecer sobre estruturas e vestígios arqueológicos;
    • Respeitar as áreas que estão a ser alvo de intervenções arqueológicas, não as perturbando;
    • Não recolher materiais nem sedimentos (terra);
    • Não escrever ou realizar grafitos nas estruturas arqueológicas;
    • Deitar o lixo em contentores próprios. Se não existirem no local, leve o lixo consigo até encontrar contentor adequado para o efeito;
    • Deixar o sítio arqueológico tal como o encontrou;
    • Não passar com bicicletas ou veículos motorizados sobre os sítios arqueológicos;
    • Respeitar e proteger as plantas e os animais que habitam na envolvente do sítio arqueológico;
    • Reportar sinais de vandalismo ou destruição à DGPC ou às Direções Regionais de Cultura (DRC);
    • Partilhar experiências de visita e os sítios arqueológicos, como forma de os tornar mais conhecidos e apelar à sua preservação;
    • Não comprar materiais arqueológicos e reportar às autoridades de segurança pública, à DGPC ou às DRC, caso venha a suspeitar de que materiais/peças arqueológicas possam estar à venda.

    Para saber mais:

    AIA / ATTA (2013) – Guide to best practices for archaeological tourism. 

    Raposo, J. (2016) – Código de conduta para uma visita responsável a sítios arqueológicos. In Sítios arqueológicos portugueses revisitados: 500 arqueossítios ou conjuntos em condições de fruição pública responsável. Al-madan, 2ª série, p. 20 – 77. 

    Contactos DGPC

    Telefone: +351213614200 | Email: informacaoarqueologica@dgpc.pt

     

    1 Votaram neste sítio